top of page
  • Foto do escritorAndré Ferrreira

Como fazer escolhas profissionais?





Em geral todas as escolhas envolvem risco. Talvez o mundo mude e o caminho escolhido não faça mais sentido daqui a alguns anos. Talvez você mude e não se sinta mais confortável com suas escolhas anteriores. Essa é uma realidade que todos precisamos enfrentar ao navegarmos no universo das profissões. Porém, dessa constatação não se segue que devemos fazer escolhas sem critérios. Pelo contrário, quanto mais claras as variáveis menor a chance de decepção futura.

Mas então, o que precisamos conhecer? A resposta é simples, embora ampla. Precisamos conhecer a nós mesmos, o mercado de trabalho e as formas de tomar decisão. Este é o tripé da Orientação Profissional: autoconhecimento, informação profissional e tomada de decisão. Falarei sobre cada um desses itens em seguida.

Quais as minhas qualidades, o que tenho que a maioria das pessoas não têm, o que eu gostaria de contribuir para o mundo, quais são os meus valores, o que a minha moral conseguiria fazer e o que ela não conseguiria, do que eu tenho medo, quais as minhas habilidades e interesses, como desejo que minha vida seja no futuro? Todas essas perguntas podem servir de guia para as decisões profissionais. Conhecer-se costuma ser o mais importante passo para guiar suas ações.

O que faz esse ou aquele profissional, quantas horas trabalha por dia, quais as tarefas entediantes, quais as emocionantes, qual o salário médio inicial, quais as oportunidades de crescimento, como essa profissão se manterá no futuro, quais as habilidades comuns dos profissionais da área, qual o perfil deles, quais os pré-requisitos para alcançar essa posição, quais os diferentes caminhos possíveis a partir desta escolha, como é um dia típico nesta profissão? A informação profissional é frequentemente ignorada por jovens com pouca experiência no mercado de trabalho. Muitas vezes criamos imagens e estereótipos de como é o dia-a-dia de um advogado, médico ou engenheiro e, na maioria das vezes, nossa imaginação não corresponde totalmente com a realidade.

Por fim, em momentos de ambiguidade ou incerteza de que forma escolhemos? Aceitamos o caminho mais fácil, o com melhor retorno futuro independente do trajeto, ponderamos a dificuldade do trajeto com o possível retorno, seguimos nossos desejos mais íntimos, seguimos o que outras pessoas nos sugerem, escolhemos a partir de um valor conhecido e consciente ou somos levados por nossas emoções? Existem maneiras diferentes de fazer escolha, cada uma com sua potência própria.

Para ter maior chance de fazer escolhas mais assertivas o processo de orientação profissional pretende responder a maioria das perguntas feitas nesse post. Se você já consegue verdadeiramente respondê-las está um passo à frente na sua escolha!

コメント


bottom of page